quinta-feira, 11 de agosto de 2011

MMX, LLX, MPX... Afinal, de onde vêm tantos "X"?

Por Odelmo Diogo - Blog TRADE-OFF

O Grupo EBX atrai os olhares de investidores e curiosos tanto pelas oscilações das ações de suas empresas como pela postura empreendedora de seu Presidente Eike Batista. O grupo é formado por cerca de doze empresas e as principais são: MMX, LLX, MPX, OGX e OSX que fazem parte do Novo Mercado da BOVESPA.

Eike Batista, visto por muitos como grande empreendedor e por outros como aventureiro, começou a construção do Grupo EBX no início dos anos 80 atuando na comercialização de ouro garimpado na Amazônia. Nos anos seguintes, adquiriu minas e passou a operar na extração de ouro, consolidando assim os alicerces da construção de seu patrimônio. Nos anos 90 expande suas atividades para mineração, energia, óleo e gás, além de outros segmentos menos importante nas atividades do grupo.

Informações sobre as Empresas EBX e sobre Eike Batista são divulgadas diariamente na imprensa e um detalhe que chama atenção de muitos é a presença do famoso “X” nos nomes das empresas de Eike.

Afinal, o que significa o tal “X” nas denominações das empresas do Grupo EBX?

Simples e singelo. Os “X” das empresas de Eike representam a capacidade de multiplicar e acelerar a criação de riquezas. Segundo o site oficial do grupo, multiplicar riqueza é uma característica que acompanha as empresas EBX nos mais de 20 anos de existência.

Em resumo, o X é o sinal de multiplicação! É o “vezes”! Afinal, foi uma bela "tacada" de marketing?

Um comentário:

  1. A multiplicação é tal e qual foi feita com a JPX...???

    ResponderExcluir